Business Intelligence

O conceito de Business Intelligence consiste num “conjunto de técnicas e ferramentas para a aquisição e transformação de dados brutos em informações significativas e uteis para não suportar a análise de negócio”.

-Data Warehouse

-Business Analytics: Data Mining; Alertas; OLAP; Ad-hoc Query.

-User Interface: Dashboards; Scorecards.

Data Warehouse

Data Warehouse descreve um arquivo de dados orientado por assunto, adaptado e histórico como o tempo, com o objetivo de apoiar no processo de decisão.

Arquitetura de Data Warebouse (top-down):

picture1

Arquitetura de Data Mart (bottom-up)

picture2

Em Business Intelligence podemos encontrar, por exemplo, o seguinte modelo de exploração de informação:

 picture3

Business Analytics

A business Analytics consiste na exploração iterativa e estruturada dos dados de uma organização na análise estatística.

O data mining é uma técnica estatística utilizada quando temos de analisar grandes volumes de dados. Quando existem muitas variáveis com muita informação utiliza-se o Clustering ( “segmentar”), ou seja: Agrupam-se os dados que se encontram mais próximos com base em determinadas variáveis.

picture4

Com esta técnica é possível reduzir grandes conjuntos de dados para produzir informação mais simples, o que otimiza o nosso tempo e facilita a nossa compreensão.

picture5

Predictive analysis

Este conceito consiste em utilizar dados históricos para desenvolver um modelo que permite antecipar resultados de assunto de interesse.

picture6

User interface

O termo user interface descreve a importância de ajudar as pessoas a entender o significado de dados, colocando-os num contexto visual. Os Padrões e as tendências podem passar despercebidos em dados baseados em texto, podendo ser expostos e reconhecidos mais facilmente com o software de visualização de dados.

 

Que software devemos adotar?

Na pesquisa tradicional, impulsionada pelos servicoes de TI:

  • Pensamento linear;
  • Perde-se o conhecimento escondido nos dados;
  • Demora meses a alterar;
  • Centrados no dados.

picture7

Na pesquisa Associativa, impulsionada pelo utilizador:

  • O utilizador decide onde começar;
  • Os dados estão sempre todos visíveis;
  • Demora minutos a alterar;
  • Orientado pelo conhecimento.

picture8

Segmentos de mercado de BI:

Query and reporting: consiste em questionar uma fonte de dados, formatar e de seguida criar um relatório, seja em estilo-produção ou em estilo-gestão.

On Line Analytical Processing: OLAP oferece análise interativa e multidimensional com diferentes níveis de detalhe.  Ao avaliar ferramentas OLAP, é aconselhável distinguir entre questões de plataforma e questões de interface com o usuário.

Dashboards: é uma forma visual de exibição de informação, a qual é usada para mostrar o que está a acontecer no momento do negócio.

Analytic Applications: processos de extração de dados, pré-preparação de relatórios e dashboards.  As “Aplicações Analíticas” oferecem aos negócios uma solução pré-preparada para otimizar uma determinada área.

Performance Management: Aplicações de Performance Management incluem a consolidação do planeamento e parte financeira dos negócios.  Scorecards são um bom exemplo destas aplicações.  Enquanto um dashboard apresenta múltiplos números, um scorecard foca-se e compara um alvo específico.

Para mais informações, clicar.

Advertisements

IAAS

A “Cloud Computing”, que em português significa “Computação em nuvem” refere-se à utilização de memória e serviços online, ou seja, através da internet.

Num sistema operacional disponível na Internet podemos ter acesso a informações, arquivos e programas num sistema único.

Existem três mais para a computação em nuvem: a IAAS, a PAAS e a SAAS.

Vamos agora aprofundar a IAAS:

IAAS significa Infraestrutura como um serviço e permite os utilizadores realizarem todas as aplicações que quiserem no hardware da nuvem.

A IAAS permite que aplicações já existentes façam parte da nuvem. Esta fornece hardware, software, servidores e outras infraestruturas, aplicações, incluindo a manutenção do sistema e backup.

As plataformas de IAAS oferecem recursos que podem ser ajustados. Isto faz com que a IAAS seja bem adequada para trabalhos temporários ou experimentais.

Os utilizadores da IAAS pagam pelo uso desta, normalmente por hora, semana ou mês. Alguns fornecedores de serviços também cobram aos clientes com base na quantidade de espaço da nuvem virtual que eles utilizam.

Por exemplo, quando uma empresa está a desenvolver um novo produto de software, será mais rentável manter e testar o aplicativo através de um fornecedor de IaaS. Uma vez testado e aperfeiçoado o novo software, este pode ser removido da Iaas para economizar dinheiro ou para libertar recursos para outros projetos.

Os principais fornecedores de IAAS são:

Amazon Web Services (AWS):  oferece um conjunto de produtos de nuvem globais, amazon-aws-logocomo computação, armazenamento, bancos de dados, análises, rede e segurança.

Windows Azure: é um conjunto de serviços como análise, computação, bases de dados, dispositivos móveis, redes, armazenamento e Web.transferir

IBM SmartCloud Enterprise: disponibiliza serviços como consultoria de negócios, financiamento, serviços tecnológicos e especialização da indústria. ibm_pt_logo_1000px_400x400

Globalização e suas fases de evolução

Globalização

Ao longo dos séculos, a globalização percorreu um longo caminho de supressão de barreiras e obstáculos, evoluindo de estados separados  por diferentes continentes para aquilo que vemos hoje em dia- um mundo onde as pessoas e as empresas podem usufruir da comunicação e colaboração mundial, cada vez com menos barreiras entre si. A Globalização é definida como a integração de economias pelo mundo fora, caracterizada pela inovação e progresso tecnológico (FMI, 2002). No livro “The World Is Flat”, o colunista do New York Times, Thomas L. Friedman, caracterizou a evolução da globalização em 3 fases distintas. Friedman argumenta que as forças da globalização estão a criar um mundo ‘’plano’’. Uma das consequências desse “achatamento” que não foi mencionada por Friedman é o aumento da velocidade de mudança. Hoje em dia, assistimos não só a mudanças de grande escala, como também a um aumento do ritmo destas mesmas.


Evolução da globalização segundo Friedman

Fases Período de tempo Entidades primárias na globalização Região globalizada
1.0 1492–1800 Países Europeus e Americanos
2.0 1800–2000 Companhias e Empresas Europeus e Americanos
3.0 2000–atualmente Indivíduos e pequenos grupos Todo o mundo

1.0-Primeira fase da globalização

A primeira fase da globalização teve início nos finais do século XV e terminou por volta de 1800. Durante esta altura, a Índia era muito conhecida pela sua riqueza, sobretudo devido às exportações das valiosas especiarias. No entanto, chegar a este país era uma tarefa árdua e até perigosa, tendo em conta que grande parte das viagens eram feitas por mar e incluíam contornar todo o continente africano.

Quando Cristóvão Colombo partiu, em Agosto de 1492, rumo à descoberta de uma rota para a Índia, aquilo que acabou por encontrar foram as Américas, originando o nascimento de uma nova visão do mundo, com mais áreas para explorar e novas fontes de recursos para usar. Esta primeira fase de globalização afetou principalmente os países europeus, que tentaram estender os seus territórios, conquistando o ‘’Novo Mundo’’.

As inovações mais significativas foram, entre outras:

  • Força proveniente da domesticação de cavalos (para o transporte e agricultura), do vento (para triturar o grão e navegar);
  • Energia do vapor (utilizada sobretudo para os trabalhos mineiros).

Estas novas energias foram a principal causa da Globalization 1.0. Como consequência desta evolução, houve uma aproximação dos continentes entre sim e uma ”redução do tamanho do mundo’’, no entanto todas estas mudanças ocorreram a um ritmo lento que demorou gerações para chegar a todos.

2.0-Segunda fase da globalização

A globalização 2.0 começou em 1800 e durou até 2000 (sendo interrompida apenas pela Grande Depressão e pelas duas guerras mundiais). Durante a globalização 2.0, o mundo encolheu de “tamanho médio para o tamanho pequeno”, uma vez que não só os países mas também as empresas passaram a fazer parte deste processo. Embora as inovações fossem constantes, as mudanças ainda levaram algum tempo para se  fazerem notar.

A Revolução Industrial, por exemplo, precisou de mais do que uma geração para ser sentida a nível mundial. No início da Globalização 2.0, o comboio a vapor levou à queda dos custos de transporte de bens, tanto em terra (usando caminhos de ferro) como no mar (usando navios a vapor). Invenções tecnológicas como:

  • o telégrafo
  • os telefones
  • computadores pessoais
  • satélites
  • as fases iniciais da Internet

…reduziram drasticamente os custos da telecomunicação. Estas reduções de custos em transporte e telecomunicação impulsionaram um mercado crescente em produtos e no trabalho. No entanto, a globalização era ainda liderada pelos Americanos e Europeus.

3.0-Terceira fase da globalização

A terceira fase da Globalização começou com pequenos grupos de quase todos os países a tentarem integrar-se no processo globalização, isto é, a partilha de informações, de culturas e de mercados por todos. Esta fenómeno e partilha de conhecimentos entre as diferentes nações trouxe-nos rapidamente mudança e inovação.

Estas inovações, consequência da partilha de conhecimento entre todos, rapidamente se tornaram globais e indispensáveis na vida do cidadão comum. Por exemplo, a Google, que é uma das maiores empresas do mundo, surgiu apenas em 1998. O telemóvel, sem o qual não saberíamos viver, surgiu apenas em 1860.

No geral, a globalização, entre outros fatores, tem melhorado a nossa forma de viver. 

              

picture1

1.Evolução da Globalização